top of page
  • Foto do escritorPriscilla de Jesus

Dores Emocionais Parte I

Conheça 3 dores emocionais que trazemos desde a nossa infância e causam grandes impactos na nossa vida adulta, interferindo na vida pessoal, carreira e negócios.


1. ABANDONO


A criança enxerga nos adultos com os quais convive um porto seguro.

Quando a criança passa por alguma dificuldade, ela recorre aos pais ou responsáveis para que seja acolhida e protegida.

Se isso não acontece, a criança se sente abandonada, como se já não fosse mais uma prioridade daqueles que têm a responsabilidade de cuidar dela. O caso se torna ainda mais complexo quando um dos pais simplesmente abandona a família ou, mesmo estando presente, age como se não estivesse e criam filhos órfãos de pais vivos, o afeto e o carinho tão necessários nessa fase.

Na idade adulta, o indivíduo carrega consigo essa insegurança, o que se vê, sobretudo, nas amizades e nas relações amorosas e na atuação profissional.


2. REJEIÇÃO


A rejeição é um dos processos mais dolorosos pelos quais uma pessoa pode passar porque fere diretamente a identidade. Ela ocorre quando a pessoa não é aceita dentro de um certo meio.

Trata-se de um processo que se vê em todas as idades, mas que é particularmente doloroso na infância e na adolescência, quando há uma necessidade grande de pertencimento e aceitação, fundamental para o desenvolvimento humano.

O indivíduo que passa por situações constantes de rejeição começa a desconfiar das suas próprias capacidades, acreditando que não é bom ou interessante o bastante. Também não se sente pertencente e tem dificuldade na crença de merecimento.

O indivíduo tem dificuldade de perceber seus talentos e de alegrar-se pelas suas conquistas, como se não fossem boas o suficiente. Há uma tendência a comparar-se com os outros, sempre diminuindo a si próprio.


3. VIOLÊNCIA DENTRO DA FAMÍLIA


A família é o primeiro grupo social ao qual somos chamados a fazer parte. Portanto, muito daquilo de quem nos tornamos é fruto desse primeiro meio em que convivemos. É na família que aprendemos os principais valores, limites e regras, que adquirimos conhecimentos e que imitamos o comportamento dos adultos com quem convivemos.

Um meio familiar violento pode traumatizar uma criança. Se ela cresce em um ambiente marcado por gritos, ofensas, torturas, ataques de raiva e até mesmo agressões físicas, ela crescerá com medo de viver de maneira geral, além de não confiar nas pessoas.


Também há uma tendência dessa criança reproduzir os mesmos atos, tornando-se um adulto violento que mantém o padrão de violência familiar.

Além do mais, sem estabilidade emocional, o adulto não consegue resolver os seus conflitos por meio do diálogo.


CONCLUSÃO


Se você se identificou com algumas dessas dores, precisa olhar para sua vida e resultados e decidir buscar ajuda profissional. Saiba que novos comportamentos podem ser aprendidos e uma vida com mais leveza pode ser vivida.

Gostou deste conteúdo? Então, deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page